Início > .Mosaico > As Mulheres de Esparta

As Mulheres de Esparta

Independente do que eu fale aqui não conseguirei um bom texto de Honra às Mulheres de Esparta…

Aqui fica um texto de Honra à Todas as mulheres guerreiras… todas as mulheres que batalham dia a dia sempre com um sorriso no rosto.
Esse texto não é para as que abaixam a cabeça. Não é para as que se deixam vencer ou reclamam da vida…

Esse texto é para as Mulheres que sabem que em tempos duros somente os fortes marcham…

Diálogo entre Leônidas (Rei de Esparta) e Paraleia (Mãe de Alexandros e esposa de Olympieus – ambos convocados para se juntarem aos Trezentos que foram para as Termópilas – para resistir e morrer pelo país).
“A senhora me odeia? – perguntou Leônidas. – Se eu fosse a senhora, odiaria. As minhas mãos estariam tremendo de uma fúria difícil de controlar. — Venha, filha, sente-se do meu lado.
A cidade especula e imagina – falou Leônidas – por que escolhi esses homens para os Trezentos. Teria sido por suas proezas como soldados? Talvez, a cidade supõe, eu tenha adivinhado alguma alquimia sutil nesse grupo único. Talvez eu tenha sido subornado ou esteja pagando favores. Nunca direi à cidade por que designei esses Trezentos. Nunca contarei aos Trezentos. Mas contarei a você, agora.
Escolhi-os não por seu valor pessoal, mas pelo valor de suas mulheres.
A Grécia está atravessando o seu momento mais perigoso – continuou Leônidas. — Caso se salve, não será nos Portões – lá, nos aguarda somente a morte, a nossa e a dos nossos aliados – mas depois, nas batalhas que se seguirão, por terra e por mar. Então, a Grécia, se assim for a vontade dos deuses, se preservará.
Quando a batalha terminar, quando os Trezentos estiverem mortos, toda a Grécia se voltará para os espartanos, verá como resistiram.
Mas para quem, senhora, os espartanos se voltarão? Para vocês. Para as esposas, mães, irmãs e filhas dos mortos.
Se eles contemplarem seus corações dilacerados, partidos de dor, os deles também se partirão. E a Grécia com eles. Mas se vocês resistirem, não somente os olhos secos, à aflição da perda, mas desacatando a agonia e a abraçando como uma honra (o que ela é na verdade), então Esparta resistirá. E toda a Hélade a seguirá.
Por que a escolhi para sofrer a mais terrível das provações, e escolhi suas irmãs dos Trezentos? Porque vocês podem.

Nesse momento, Paraleia não mais agüentou e disse:
– E é essa a recompensa da virtude das mulheres, Leônidas? Serem atormentadas duplamente, suportarem um duplo sofrimento?

Então, a rainha Gorgo estendeu a mão, oferecendo-lhe ajuda. Mas Leônidas interveio:
– A minha mulher estendeu-lhe a mão para transmitir com o seu toque o conhecimento do fardo que ela carregou sem queixa durante toda a vida. Pode ser negado a ela simplesmente ser a mulher de Leônidas, mas será sempre a esposa da Lacedemônia. Agora, esse papel também lhe cabe, senhora. Deixará de ser a esposa de Olympieus ou a mãe de Alexandros, mas deverá servir como esposa e mãe de nossa nação. A senhora e suas irmãs dos Trezentos são, agora, as mães de toda a Grécia, e da própria liberdade. É um dever árduo, Paraleia, para o qual convoquei a minha amada esposa, a mãe dos meus filhos, e agora também a convoco. Diga-me, eu estava errado?

Assim como o fogo de uma queimada consome a si mesmo e, por fim, deixa de chamejar, a dor de repente se esvaiu do coração de Paraleia.
Uma paz indulgente a penetrou, como uma dádiva proporcionada não somente pelo abraço forte que Leônidas agora oferecia, mas oriunda de uma fonte ainda mais profunda, inefável e divina. A força retornou aos seus joelhos e a coragem ao seu coração.

Levantando-se, enxugou os olhos e disse:
— Essas foras as últimas lágrimas, meu senhor, que o sol viu correr por meu rosto…”

(PORTÕES DE FOGO)

Anúncios
Categorias:.Mosaico
  1. CAMILA FERREIRA
    5 de outubro de 2010 às 3:41 PM

    O txt de ” As Mulheres de Espartas” é fascinante, filosofico, humano …. ascende um fogo interno só de estar fazendo a leitura do txt.
    No cotidiano de nossos conflitos, não posse esquecer este txt, e o sentido humano e a tradição que as Mulheres de Espartas traz em mim (interior), vou precisar a todo momento trazer estar memória.

  2. CAMILA FERREIRA
    5 de outubro de 2010 às 3:42 PM

    EXCEPCIONAL LEITURA.

  3. Michelle Gabriela
    24 de dezembro de 2010 às 7:06 PM

    Muito bacana… Eu estudo filosofia a maneira clássica, gosto muito das reflexões. Creio que na sociedade que vivemos hoje, é fundamental ter a consciencia dos aspectos morais e metafísicos.

    Obrigada pela leitura proporcionada.

    Namastê!

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: